PEDA: Preguiça Every Day in August


O Sonhos Empoeirados está de volta *\o/*

Na verdade, já tem uns dias que ele está no ar em sua versão repaginada, com novo layout e tudo mais. Mas fiquei com preguiça de me pronunciar. Até mesmo porque esse blog só é lido pelas minhas irmãs e dois ou três amigos. Seria lido, com certeza, pela minha mãe e pelo meu cachorro, se a primeira tivesse interesse em acessar a internet e se eu tivesse um cachorro de estimação, mas não tenho...

Enfim, chega de bobagens. Optei por um visual mais clean e ainda estou ajustando algumas coisas por aqui, é verdade. Mas é bom vê-lo no ar novamente =)

Todavia, engana-se quem pensa que voltei com força total. Não. Não mesmo!

[A vida, o universo e tudo mais] Mané feed organizado


Eu devo ser muito ranzinza. Mas sou do tempo que instagram era um aplicativo de fotos para compartilhar os bons momentos da vida; suas selfies, fotos de viagens, festas, bebidas, comidas (comida dominou o instagram por muito tempo), das suas unhas, seu look do dia, seus fins de semana com os amigos na praia, suas coleções de livros e discos de vinil. Hoje ele precisa seguir uma “linha editorial” e apresentar “harmonia cromática” para ser considerado atraente e angariar seguidores.

[Fashionismo nerd] O estilo urbano de Ashley Banks


Se você está na casa dos vinte e tantos anos, deve se lembrar daquelas gloriosas tardes em frente à televisão assistindo ao SBT. Naquela época, a emissora de Silvio Santos apresentava uma excelente programação - composta de enlatados, é verdade, mas ainda assim primorosa: Chaves, Simpsons e Um Maluco no Pedaço. Não necessariamente nesta ordem, aliás, a ordem mudou mais de uma vez enquanto os três seriados estiveram no ar.

Ma bene! Um Maluco no Pedaço, originalmente se chamava The Fresh Prince of Bel Air e foi transmitida pela emissora norte-americana NBC de 1990 a 1996, totalizando seis temporadas. Protagonizada por Will Smith que até então já era um rapper que desfrutava de relativo sucesso, a série serviu para catapultar sua carreira como ator. A sitcom (comédia de situação) narrava o cotidiano de uma família afrodescendente riquíssima que residia no elegante bairro de Bel-Air em Los Angeles. Neste cenário, surgia Will Smith, uma rapaz pobre da Filadélfia que chegava para abalar a rotina da refinada família. Ele era sobrinho do patriarca Philip Banks e fora enviado por sua mãe para morar na mansão de seus tios ricos, pois ela temia que o filho enveredasse pelo caminho do crime.

Segundo o próprio Smith, antes de dar início à produção da série, recebeu um conselho de seu amigo Alfonso Ribeiro, que interpretava seu primo Carlton Banks na sitcom. O ator sugeriu a Will que mantivesse seu nome original no seriado ao invés de optar por um nome fictício, uma vez que se a produção angariasse sucesso, ele seria marcado como o personagem e todos o chamariam pela alcunha da ficção e não por seu nome verdadeiro. Alfonso acertou em cheio, pois Will revelou que certa vez, saiu com Alfonso e os fãs que se aproximaram se referiram a ele constantemente como Carlton.

Dentre os personagens, destacava-se a filha caçula do casal Philip e Vivian Banks e também a mais inteligente dos três irmãos, Ashley. Vamos falar um pouco sobre o estilo dela:


[Perdida em traduções] Dez filmes famosos que surpreendentemente falharam no teste de Bechdel


Tradução livre do texto originalmente publicado no site Film School Rejects: 

O teste de Bechdel, se você não está familiarizado com o termo, é um ponto de referência para filmes desenvolvido por Alison Bechdel em 1985. Para um filme passar no teste de Bechdel, ele precisa conter uma coisa: uma cena na qual duas ou mais personagens femininas (que possuam nome) tenham uma conversa (isto é, um diálogo na qual as duas participem ativamente) sobre qualquer coisa, exceto homens. Qualquer coisa, mesmo que seja algo estereotipadamente feminino, como compras ou sapatos. Pode até mesmo ser sobre fezes de um cachorro. Não importa.

Parece simples, não é? Então pode ser um tanto chocante descobrir que de 2.500 filmes analisados, cerca de metade apenas passou no teste. E, para ser claro, passar não significa que o filme é bom ou ruim. Falhar no teste não significa que o filme é mau ou anti-mulheres, ou mesmo que passar faz do filme uma obra fortemente feminista. É apenas para fazer as pessoas pensarem a respeito da questão de gênero e como isso é apresentado nos filmes. De fato, o exemplo que Bechdel deu de filme que passou no teste é Alien, unicamente porque Ripley e Lambert tem uma breve conversa acerca do alienígena (vamos ignorar o fato de que o alien é um monstro peniano andante, e que isso foi antes dos Xenomorphos estabelecerem os sexos – as Rainhas não foram introduzidas na franquia até o filme de 1986, Aliens – O Resgate).

Mas ainda assim, surpreende descobrir que alguns dos filmes mais populares de todos os tempos falharam no teste e frequentemente por razões que você, talvez, nunca tenha considerado.

[Meus Escritos] Pílulas #2


Você pode fazer um milhão de coisas boas, mas cometa um único deslize e é por ele que você será lembrado. As pessoas não estão interessadas em reconhecer seus acertos, elogiar suas virtudes ou agradecer por suas gentilezas e préstimos. Elas esperam que você cometa erros para poder julgá-lo, que tenha defeitos evidentes para que possam comentá-los, que perca a cabeça e seja grosseiro para que possam crucificá-lo.

Escrito em 06 de abril de 2011.

 ^___^
(@_@)
(^^^^^)
/ '''''' \

[Café com páginas] Contos do Dragão (Parceria Editora Draco)


O Sonhos Empoeirados agora é parceiro da Editora Draco. Para quem não sabe, a Draco tem o maior acervo digital de contos, os #ContosdoDragão, uma coleção de e-books na qual são publicados contos de autores nacionais e lusófonos em versão single. Por vezes, esses contos integram antologias publicadas pela editora, outros são independentes delas. A Draco acredita que essa é uma ótima maneira dos leitores conhecerem novas histórias e novos autores, e também de promover a literatura nacional e os escritores estreantes.


[Fashionismo nerd] Lisa Carol Fremont (Janela Indiscreta)


Há quanto tempo eu não posto um novo artigo nesta seção! Deve fazer mais de um ano. Afinal, escrever sobre moda permanece um desafio para mim, uma vez que não é realmente a minha praia. Mas vamos ao fashion icon de hoje, aliás, Grace Kelly não poderia faltar por aqui ;)

Janela Indiscreta é um thriller americano de 1954, dirigido pelo mestre do suspense Alfred Hitchcock e, possivelmente, um dos meus filmes favoritos do diretor (embora seja muito difícil selecionar um favorito de sua filmografia). Estrelado por James Stewart e Grace Kelly, o longa acompanha o fotógrafo L. B. Jeffries (Stewart) que, entediado, após quebrar a perna e ter de ficar de molho em casa, em seu apartamento em Greenwich Village, passa a espiar os vizinhos com o auxílio de binóculos de sua janela. O que era para ser uma passatempo descompromissado, ainda que antiético, acaba se transformando em um intrincado mistério a ser resolvido, quando Jeff passa a suspeitar que um dos vizinhos assassinou a esposa. Há vários indícios de um homicídio e, ao lado da namorada Lisa (Kelly), e da enfermeira Stella (Thelma Ritter), ele se propõe a investigar, acompanhando o desenrolar dos fatos da janela de seu apartamento.

Paralelamente à investigação do assassinato, Lisa tenta convencer Jeff a se casar com ela, mas o fotógrafo está relutante. Ele garante que ambos são de mundos muito diferentes. Ela é uma glamourosa modelo e editora de uma revista de moda que usa vestidos caríssimos vindos direto de Paris. Enquanto ele, tem um estilo bem simplório não apenas de se vestir, mas de viver. Lisa é persistente e, também, muito inteligente para uma personagem da sexista Hollywood da década de 50 (Hollywood continua sexista, mas naquela época era ainda mais). Ela tem um papel relevante na resolução do mistério, arriscando a própria pele ao invadir o apartamento do suposto assassino. Ao final da película, ela aparece trajando jeans comuns, recostada no sofá do apartamento de Jeff, como se desse a entender que abdicou de seu estilo para viver ao lado dele Mas, enquanto o fotógrafo dorme, Lisa deixa de lado seu exemplar de Além dos Altos Himalaias e abre uma edição da famosa revista de moda Harper's Bazaar, mostrando que permanece sendo a mesma Lisa de sempre.