[A vida, o universo e tudo mais] A dieta da lipoaspiração



Não há nada que eu possa dizer a respeito do caso da blogueira que fez a dieta da lipo que já não tenha sido dito por milhares de pessoas internet afora.

Para quem andou perdido em Marte pelas últimas semanas, a blogueira a quem me refiro, garantiu a seus inúmeros seguidores que fez uma dieta rigorosa, baseada apenas em comidinhas da terra, e depois foi desmascarada em uma live do facebook, onde, acidentalmente revelou que fez lipoaspiração

Apenas posso ecoar os brados de quem afirma que o corpo é dela e ela tem dinheiro, portanto, está no seu direito de recorrer a cirurgias estéticas. Mas que ela foi irresponsável ao enganar seus milhares de seguidores - ela é uma das maiores e mais populares digital influencers do Brasil (sério que isso agora é profissão?) -  dizendo que finalmente alcançou o peso ideal e chegou ao corpo perfeito apenas com reeducação alimentar e exercícios, preocupando-se em incluir em seu cardápio apenas comidinhas da terra.



[Espaço criativo] Decoração de corredores


O corredor também pode ser encarado como uma peça da casa ao invés de um simples local de passagem e acesso para outros cômodos. Isto é, o corredor não precisa se limitar a paredes vazias e a serem vítimas constantes do ostracismo durante o planejamento da decoração.

[Screencap/Gif/Quote] O Amor é Estranho


O Amor é Estranho é um filme de 2015, dirigido por Ira Sachs, estrelado por Alfred Molina e John Lithgow, e narra a história do casal George e Ben que, após muitos anos vivendo juntos, decidem finalmente se casar. Pouco tempo após a cerimônia, George é demitido de seu emprego em uma escola católica de Manhattan, onde ministrava aulas de música. O motivo é bem evidente. Diante de problemas econômicos, o casal é obrigado a vender o apartamento onde residiam e passar a viver de favor na casa de parentes.

A sutileza narrativa e honestidade de O Amor É Estranho me cativaram a ponto de elegê-lo como um dos melhores filmes lançados por aqui em 2015. Uma produção excepcional, precisa ao retratar um casal gay que está há quarenta anos juntos, sem recorrer a clichês ou discursos panfletários. O foco é nas relações familiares, nos vínculos afetivos entre os personagens, sempre com um tom intimista e sensibilidade à flor da pele.  A interação entre Alfred Molina e John Lithgow, que interpretam o casal - ambos em momento inspirado de suas carreiras - é não apenas convincente como fantástica e os quotes são a cereja no topo do bolo. O diretor Ira Sachs mostra, com este longa, que não é necessário premissas super elaboradas, narrativas intrincadas ou cenas catárticas para compor ótimo cinema e nos entrega uma pequena pérola da sétima arte.

Abaixo, um de meus quotes favoritos:


Nunca fico entediado em minha própria companhia. São as outras pessoas que me deixam louco, às vezes. Não me interprete mal, eu adoro pessoas. É que eu não me dou bem com multidões. Prefiro conhecer as pessoas conversando do que ficar com um copo de vinho na mão e um sorriso tolo no rosto.

*Salut*

[Meus Escritos] Pílulas #3


Eu não gosto de nada padronizado. Gosto dos considerados estranhos, dos esquisitos. Daqueles que são únicos, que não imitam ninguém, que não copiam estilos - no máximo, combinam referências e mesclam influências. Gosto daqueles que não seguem padrões, os autênticos, os irreverentes. Gosto dos que tingem o cabelo das cores mais inusitadas, que usam roupas pouco usuais, que se arriscam nas cores, nos contrastes. Gosto daqueles que não tentam se encaixar, que não parecem comuns, que não possuem gostos normais. O normal cansa, me chateia. Gosto dos que andam na contramão do mundo. Gosto de ser surpreendida.


24/10/2014 22:13

[78 rotações] Aquela dos 29


Hoje eu completo 29 anos. Os trinta já batem à porta e parece que foi na semana passada que meu melhor amigo estava me mandando um e-mail me parabenizando pelos vinte anos recém-completados. Sim, e-mail. Afinal, ele estava sem créditos para me mandar uma mensagem sms pelo seu celular Nokia. Aquele que tinha o jogo da cobrinha... Eu não havia me rendido aos encantos do Orkut; o Facebook ainda engatinhava e era utilizado apenas por um grupo seleto que, provavelmente, pensava que Brasil era uma selva; a breve vida do MySpace estava só começando; e Twitter, WhatsApp, bem como smartphones e seus aplicativos, ainda soavam como delírios de roteiristas dos Jetsons.

As pessoas ainda sabiam o que era Jetsons naquela época.


[Café com páginas] Vampiros em Nova York: Os Primeiros Dias


Depois dos traumas causados por séries como CrepúsculoAcademia de Vampiros e A Caçada (os dois últimos eu larguei já no primeiro volume), pensei  que nunca mais pegarias nas mãos, tampouco me aventuraria por outra obra envolvendo vampiros. Mesmo que fosse algo escrito pela Anne Rice. Estava errada e acabei me deparando com um livro bem legal sobre o tema. Não é nenhuma obra-prima, mas uma leitura inteligente e divertida de qualquer maneira e a qual vale a pena passar duas horas de um dia preguiçoso curtindo.

[A vida, o universo e tudo mais] Não!

Eu ando tão desapegada de redes sociais que acabei deixando esse fato passar.


Se, assim como eu, você anda meio alienado e quer compreender melhor a história, basta clicar aqui.

A história viralizou e embora eu possa atestar que a maioria das pessoas que se manifestaram sobre o assunto tenha ficado do lado da nerd colecionadora fã do Gavião Arqueiro, especialmente em comentários no facebook e twitter, também vi redatores de sites afamados dizendo que a garota foi tão ou mais imatura que a mãe do garotinho e, pior, que ela é arrogante e egoísta, tal qual a mãe vacilona apontou.